11 de outubro de 2010

Uma análise dura, sincera e pessimista da campanha de Dilma Rousseff

Peço desculpas pelo tom que irei adotar nesse texto, cheio de formas verbais imperativas, como "deve ser" e "tem que ser", não tenho pretensão nenhuma de ser dono da verdade, mas é a maneira mais sucinta de dar minha opinião, economizando floreios sintáticos que só nos consumiriam tempo e paciência.

Uma leitora reclamou que estou pessimista e diz que meus textos não estão ajudando a erguer o moral da tropa. Ora, estou pessimista mesmo, e francamente não tenho obrigação nenhuma de levantar o astral de ninguém.

Tenho implicância, aliás, com o termo "militância". Sempre me fez mal pensar em mim como "militante", porque isso, sei lá, parece diminuir a pessoa. Sou presunçoso demais talvez. Gosto de pensar em mim como um livre pensador, que, no entanto, tem um lado, preza a liberdade de ter um lado e defender seu ponto-de-vista.

Queria usar, portanto, a mesma liberdade para continuar pessimista. Acho que a disputa neste segundo turno será muito mais difícil do que os aliados de Dilma Rousseff imaginavam. A petista permanece favorita e pode ganhar as eleições, mas apenas, a meu ver, se assimilar a tempo o recado transmitido pelo povo no dia 3 de outubro. Pelas propagandas que assisti na TV, até agora, a campanha não entendeu nada.

Os comerciais de Dilma no segundo turno não deveriam repetir a fórmula do primeiro. Os eleitores já sabem que o Brasil mudou e que vivemos hoje um novo patamar, mas esse ufanismo já cansou. Na vida real, as pessoas ainda vivem em condições miseráveis. Não preciso ir longe, basta olhar para minha própria vida. A banda larga no Brasil é a mais cara do mundo. O custo de ligação por celular ou fixo no Brasil é o mais caro do mundo. Na rua do Resende, onde moro, os bueiros estão vazando. Não vou me prolongar nessas ladainhas, porque imagino que todos tem mil relatos parecidos, e passo logo para o moral da história:

A campanha de segundo turno deveria assumir um tom mais dramático e autocrítico, e simultaneamente muito muito muito mais sonhador e ambicioso. Serra promete R$ 600 para o salário mínimo. Essa promessa é uma intolerável agressão à política sindical. Milhares de trabalhadores se manifestam, acionam as centrais, para forçar o governo a assumir compromissos reais, constitucionais, para o aumento do salário mínimo, e para alcançar (como se alcançou) um acordo pragmático, honesto, moderno, pelo qual o salário mínimo aumentará de acordo com o crescimento do ano anterior. E o que faz Serra? Passa por cima disso tudo e estabelece um valor arbitrário, inspirado puramente pelo desejo de vencer eleições. Porque a campanha de Dilma não reage imediatamente? Por que não mostra na TV a política do governo para o salário mínimo e as projeções para os próximos dez anos, segundo as quais o mesmo pode superar a marca de R$ 1.000?

A campanha deve ser um debate com as idéias de seu adversário, porque a verdade (ensinava Hegel) só pode ser compreendida pelo intelecto humano se confrontada com seu oposto. Mais dialética!

A propaganda baseada na divisão entre "coisa de pobre" e "coisa de rico", e a referência a um genérico e misterioso "eles", que não desejam o bem do Brasil, traz uma mensagem negativa e confusa. Não tem efeito. E só isso que vejo na TV, nos spots espalhados pelo horário televisivo. Que mané coisa de pobre, que mané coisa de rico! A mensagem constrange os pobres, que aspiram ser ricos, e agride os ricos, que temem recair na pobreza. Se o maior problema com Dilma é com a classe média urbana, ela deveria trazer uma mensagem diferente neste segundo turno, com projetos de trens-bala cortando o Brasil, gráficos com ciclovias ultramodernas cortando as cidades, maquetes com aeroportos e rodoviárias modernizados. Pobre quer ver luxo, já ensinava Joãozinho Trinta, porque a pobreza só vale para a rotina da realidade, não para o sonho. O sonho do pobre é tão alto quanto o do rico. Ambos sonham com liberdade, piscinas e viagens ao redor do mundo.

A mensagem neste segundo turno deveria focar na classe média urbana, e falar a sua linguagem. É preciso conquistar o eleitor de Marina Silva e para isso é preciso menos jargões petistas (o que não significa trair os ideais do PT, mas vesti-los com uma linguagem mais universal) e muito mais sonhos. O Brasil tem um futuro grandioso, pode ser a quinta maior economia do mundo. A propaganda de Dilma deve mostrar isso. Deve mostrar aos brasileiros o que significa isso. Mostrar como é a vida no primeiro mundo, onde a saúde funciona e a educação tem excelência, e dizer que esta é a meta. Ruas limpas, sem lixo, com lixo reciclado... Aliás, porque não se apela urgentemente às bandeiras ecológicas desenvolvimentistas como o investimento em reciclagem? O que a propaganda na TV está fazendo para conquistar o voto marinista? Nada! Dilma tomou uma surra de Marina no primeiro turno (sim, porque Dilma "ganhou perdendo") e não aprendeu nada?

O que está sendo feito é simplesmente continuar a estratégia do primeiro turno, ignorando a mudança na correlação de forças nesta segunda etapa.

Em relação ao debate na TV, realizado ontem, blogueiros e militantes afirmaram que Dilma nocauteou o tucano José Serra. Não vi nada disso. Eu vi Serra conseguindo se comunicar muito bem, de maneira clara, com aquela sua dicção paulista redundante e enfática, como se os ouvintes fossem meio retardados. Mas que acaba sempre se revelando contundente. E conseguiu acusar Dilma de maneira bastante direta e definitiva de ser favorável à legalização do aborto, o que não foi respondido a contento pela petista. Também exibiu um cinismo explícito, que transmite força e autoconfiança. Esse cinismo só pode ser eficientemente rebatido com intrepidez, irreverência e bom humor, e não com ar preocupado e nervoso que vi em Dilma.

Há um outro fator perigosíssimo para a campanha de Dilma Rousseff. O nome é Aécio Neves. Livre da responsabilidade de eleger o governador, Aécio poderá ampliar a migração de sua popularidade para Serra. A mesma coisa vale para Geraldo Alckmin. E os votos de Minas e São Paulo podem decidir as eleições. O esquema petista em Minas Gerais, que já era frágil e contraditório, ruiu completamente. O partido saiu desmoralizado do pleito estadual. O erro cometido por Fernando Pimentel em 2008 (de aliar-se à Aécio) revelou-se uma bola de neve que cresceu sem parar e pode até custar as eleições presidenciais. O próprio partido reconhece isso e a luta hoje é evitar que o linchamento político de Pimentel, por conta desse erro, seja ao menos adiado, para que não atrapalhe as articulações necessárias e urgentes para evitar um desastre em Minas Gerais. O PT mineiro precisa tirar vários coelhos da cartola. Fazer mágica.

Em relação à Erenice e qualquer outro escândalo, o PT e Dilma Rousseff devem assumir uma investigação própria, através de contatos diretos com as pessoas envolvidas, de maneira a evitar esses desgastes intermináveis. E cortar na própria carne sem tergiversação verbal, porque isso está causando enorme sangria no eleitorado dilmista. E a petista deveria usar expressões duras para condenar os ilícitos, sem que isso indique prejulgamento, ou acusação sem provas, mas apenas uma postura simbólica, quase catártica, pedida pelo povo brasileiro, que deseja que seus governantes se identifiquem com seu sentimento de revolta contra a corrupção.

Outro ponto importante é o desejo de vencer. Pode-se observar em Serra, uma vontade ciclópica de exercer a presidência. Seus olhos brilham de desejo. É algo hipnotizante. O desejo é uma forma de poder. Dilma deveria rebater com o mesmo olhar, porque já não se trata de uma questão pessoal, e sim o compromisso de Dilma em liderar uma grande e difícil luta democrática por determinadas idéias.

Enfim, a campanha do segundo turno tem que ser diferente da do primeiro.

É o que eu tinha a falar. Pode ser que tenha apenas falado besteira; invoco encarecidamente a tolerância do leitor. Minha intenção é colaborar e penso que o momento é de crítica, autocrítica, e não de auto-louvação. Eleição se ganha até o último dia, e mudanças podem ser feitas até o último dia de propaganda eleitoral, portanto. Os candidatos tem tempo de televisão, tem acesso à mídia, Dilma tem o luxo de possuir o maior cabo eleitoral do país e gozar de um amplo arco de alianças, com maioria no senado e na câmara dos deputados. Se perder as eleições, será por pura incompetência de seu marketing, e não no aspecto técnico, que é impecável. O erro - se é que há algum - está no planejamento político.

30 comentarios

Daniel Nascimento disse...

Miguel, entendo seu espírito crítico. Mas permita-me discordar sobre os efeitos do debate e das novas campanhas. Se brasileiro não gosta de agressividade, também não gosta de quem apanha calado. Não creio que o tom do debate de ontem irá se elevar; acho que foi só um aviso e uma maneira de desconcentrar Serra. A Dilma foi um pouco mal sim no que tange a fluência do discurso e concatenação de ideias. Mas isso é o que menos importa. O importante é que ela, ainda assim, incomodou Serra citando pontos que podem ter passado desapercebido ao telespectador mas que Serra sentiu, como loteamento de cargos do PSDB, a atuação vexatória de sua esposa, a cobrança da continuidade de coisas boas do governo Lula quando ele diminuiu programas bons do próprio colega de partido, a pergunta sobre Paulo Preto (essa foi a no queixo), sua constante incoerência. Serra sentiu e isso é inegável, tanto que não conseguiu fugir de bordões repetidos pelo antipetismo. Para um debate de baixa audiência assistido principalmente pela militância de ambos, ponto para ela que levanta o ânimo de seus partidários e deixa os serristas na mesma. Pragmaticamente, isso é o que vale e por isso Serra perdeu.

João Paulo Ferreira de Assis disse...

Olha Miguel, você não tem obrigação de levantar o astral de ninguém. Mas se você nos passa uma mensagem pessimista, você está convidando os trollers a invadir o seu blog, como aconteceu no bate-papo do Terror do Nordeste, que o Gilvan Freitas teve de suprimir de tanta gente que invadiu. A militância precisa de ânimo para agir. Estamos numa guerra. Qualquer sentimento de dúvida e de vacilo pode ser fatal, pois uma guerra não se ganha apenas diretamente. Há os fatores indiretos que ajudam a decidi-la.
Por fim, concordo plenamente com o que escreveu o sr.Daniel Nascimento.

Adriano Matos disse...

Miguel, concordo com quase tudo que tu escrevestes, exceto que Dilma se mostrava preocupada, etc. Ela o confrontou, chamou o debate do aborto e citou um dado fundamental: a cada dois dias 1 mulher morre em conseqüência de aborto doméstico e o governo tem que dar providência pra esse problema.

Outro fato, fundamental do meu ponto de vista é a questão das privatizações que não é assunto passado não senhor quando há uma fortuna no leito submarino que os privados adorariam se apoderar sozinhos.

Agora, ela pode fazer com a propaganda o que tu sugesites: mostrar o que se pode alcançar com as verbas desse tesouro e em quanto tempo. Ontem ela começou a falar disso mas bom é em imagens.

Tudo de bom!

Anônimo disse...

Estou pessimista por outros motivos: que Marina Silva e Plinio de Arruda Sampaio, preferem ser governados pela TFP, pelo entreguista José Serra. Por muitos militantes buscarem o impossivel.
Este Brasil não muda por causa de São Paulo, o estado vinculado ao imperialismo e ao latifúndio, e seu sentimento antibrasileiro e antinacional.
Marina Sila e Plinio Sampaio tem que serem marcados como traidores do povo brasileiro, pelo seu comportamento até aqui.
A classe média tem que f...
Classe m,édia é analfabeta política. Ela lê Veja.
Eu ainda acredito no povo brasileiro.
Não acredito no PSOL PCB PCO e Marina.
A esquerda não se une nem no cancer. Só quando está atras das grades.

Anônimo disse...

Não se esqueça que Minas é metade nordeste.

Agora Minas vai a reboque de São Paulo?

O "homem bomba" de Serra, que tiveram que mandar embora o Senador Aloysio Nunes.

Rosário faltam ainda 18 dias para nós escrevermos a história.

Quem morre na véspera é Peru.

Edgar disse...

Caro Miguel,

O debate de ontem não tinha a função de catapultar votos para a Dilma, mas para reanimar a militância que estava desanimada. Isso foi conseguido, como se pode observar pelos comentários maciçamente postados na blogosfera progressista.
Quanto aos demais pontos por você levantados, acho que algumas considerações são plausíveis. Como a de que pobre sonha ser rico e o rico tem medo de empobrecer. Mas, estamos diante de um jogo de xadrez e as jogadas precisam ser bem calculadas. Será que as mudanças não virão em doses homeopáticas, a partir de pesquisas qualitativas?
Em relação ao fator Aécio, também considero que seja um perigo. No entanto, faço ressalvas. Em Minas a situação continou no poder com a vitória de Anastasia, não houve novidades. O prefeito de Belo Horizonte está ao lado de Dilma, foi ontem ao debate e declarou que irá trabalhar para convencer outros prefeitos mineiros. O Fernando Pimentel não foi eleito senador, mas encostou no eleitorado do Itamar Franco. O Patrus Ananias tem muito prestígio em Minas e agora o José Alencar, figura carismática, vai entrar de cabeça na campanha. Tudo isso significa que se o Serra poderá se dar bem em Minas pelo fator Aécio, a Dilma também está bem ancorada pela turma que a apóia.
Em São Paulo, o raciocínio não é diferente. O Alckmin ter saído vencedor não foi novidade. Sua votação (50,5) foi menor que a do Serra em 2006 (57) contra o mesmo Mercadante. Além do que, o Russomano já declarou apoio à Dilma e o Skaf deve fazer o mesmo, segundo consta. O Serra deve ter bastante votos em São Paulo, mas a Dilma tem um cesto grande também.
Um abraço,

Diocele Leite disse...

concordo em parte com as suas observações, é intrigante vc dizer que o trabalho em minas do PT é fragil. no mais, aguardemos uns 15 dias, ai...espero outro comentário seu... espero que positivo dessa vez...hahaha...então dia 26/10, pesquisarei no seu blog algo sobre isso..

Diocele Leite
Mossoró-RN

Lucas Santos disse...

Mew... de fato a propaganda da Dilma não está legal.

Essa do "coisa de rico, coisa de pobre" esquece que temos uma classe média no meio.

Na minha opinião, tem que parar com essa coisa de "deixo em tuas mãos o meu povo". Isso repele a classe média urbana, que é moderna e não aceita "pai" em política.

E de fato, o que está faltando à propoganda da Dilma é sonho. Como alguém escreveu no Azenha, os votos da Marina são metafísica, busca pelo transcendental.

A propaganda da Dilma é muito 'presente' e pouco futuro.

Pq não fazem umas filmagens na Noruega, mostrando que o estado de bem-estar deles funciona e é mantido graças ao petróleo.

Vc mata 2 coelhos numa cajadada: cria o sonho no telespectador e desperta ele para a importância da questão do Pré-Sal.

Maria 1 disse...

Gostei da sugestão, Lucas. Bem que o pessoal da Dilma poderia aproveitá-la. Sobre o debate de ontem, foi importante uma reação à campanha difamatória, associando-a ao candidato Serra. Vai funcionar? Não sei. O vírus inoculado pelo submundo da campanha do PSDB fez e faz muito estrago. Ter contra si todas as facções ultraconservadoras, a mídia e os fundamentalistas religiosos espalhando veneno aos quatro cantos, torna a disputa algo extremamente complicado. Difícil imaginar que ajustes em programas eleitorais possa neutralizar tamanha virulência.

Blog de Pirenopolis disse...

Rosario ,vamos lavar roupa suja depois das eleições ,sugestões e criticas tudo bem mais sem pessimismo ,mesmo que ele exista .Quanto ao termo militante ,ponha se no seu lugar ;você e um líder,militante somos nos.

Miguel do Rosário disse...

João Paulo Ferreira de Assis, discordo que tenhamos que nos preocupar tanto assim com o "ânimo" da militância. A militância já vota na Dilma. O importante agora é fazer um debate duro, rápido, incisivo, porque há muito pouco tempo, talvez alguns dias, talvez uma semana, antes de tudo estar decidido.

Todos se concentraram sobre a avaliação do debate, que não é a parte mais importante desse texto. Eu não achei muito bom não, porque Serra conseguiu colar a questão do aborto na testa de serra e a sua campanha sequer conseguiu construir uma resposta salomônica para o caso, que não entre em contradição com o que ela disse antes e ao mesmo tempo não apavore a maioria brasileira que ainda vive sob as rédeas morais das igrejas nessa questão.

Adriano, quanto a questão das privatizações, o PT até hoje não conseguiu construir um discurso para desconstruir a ladainha tucana de que a privatização da telefonia foi responsável pela entrada do celular e da revolução das telecomunicações, que são fenômenos mundiais. Muitos países continuaram com estatais gerindo o setor e se modernizaram (com os países europeus, a China e grande parte da Ásia).

Vera Pereira disse...

O que a Dilma disse antes? O que até eu digo: ninguém é a favor ou contra o aborto em si, que é uma situação infeliz para as mulheres (sobre as quais, digo eu, homem algum deviam se posicionar). Dito isto, ela disse em 2007 que é favorável, pessoalmente, à descriminalização do aborto e cumprimento das regras constitucionais. Isto é, que o SUS dê assistência às mulheres que chegarem com aborto em andamento e não as prenda, ponha na cadeia, processe, elas e aos médicos que as atenderem,etc. Que para o Estado, aborto é uma questão de Saúde Pública e não caso de polícia. E também não é caso de imposição religiosa ao conjunto dos cidadãos, cada um com seus valores religisos particulares e diferentes. Que sendo caso de Saúde Pública é obrigação do Estado legislar a respeito. Que quem legisla é o Congresso, não o presidente da República. Em suma: cadê a contradição com Dilma dizer que é, pessoalmente, a favor da vida? Eu também sou a favor da vida, das mulheres, crianças e homens, e que a maior política a favor da vida é a inclusão social. Cadê a contradição?

Vera Pereira disse...

Miguel, fiz outro comentário no twitter.

Miguel do Rosário disse...

Oi Vera, essa questão do aborto é um saco. E um mato sem cachorro, porque a população simplesmente não está informada ou "formada" para entender o tema criticamente (por culpa, mais uma vez, de uma mídia televisiva conservadora e incompetente) e há uma parte sob as rédeas medievais de igrejas.

Não disse que a Dilma caiu em contradição, e sim que ela tem que conseguir transformar esse limão em limonada. Nem tenho a resposta para isso. Mas tem que ser direto, falar ao povo, esse papo de "a favor da vida" é uma fórmula meio cabalista, não é suficiente para aplacar a boataria. Dilma e Lula poderiam falar diretamente ao povo sobre esse tema. Reafirmar que são contra o aborto enquanto prática anticonceptiva. O que eles defendem é salvar a vida de mulheres que chegam ao hospital com problemas decorrentes da prática mau feita, e iniciar uma ampla campanha para que as mulheres tenham mais precaução, etc. Quanto a entrevistas anteriores ou gravações, deve explicar que foi mal entendida ou o trecho foi descontextualizado (como foi mesmo).

Mas essa confusão deve ser atacada diretamente, sem volteios ou frases cabalísticas e ser levada à sério. Nada pode ser varrido para debaixo do tapete, achando que as pessoas vão "esquecer" o tema. Até porque o adversário não o deixará ser esquecido.

Anônimo disse...

Caro Miguel,

Entendo seu desabafo, mas sinceramente não considero que os debates e os programas eleitorais infuenciem tanto o eleitorado. Até o mundo mineral (como diria o Mino Carta) já sabe que o grande estrago na imagem da Dilma foi conseguido a custa de muita boataria, real e virtual. E na minha opinião é aí que reside o problema. Como combater essa boataria? Só pra você ter uma idéia, nesta semana duas pessoas do meu relacionamento (que não se conhecem) vieram com uma estória de que a Dilma é perigosa porque vai trair o Lula. E agora?
Um abraço, Ronaldo Braga.

Miguel do Rosário disse...

Minha tia voltou de viagem e tinha mil emails de suas amigas só falando mal de Dilma. A campanha via email foi esquecida pela campanha de Dilma. Claro que dá para combater. A Dilma tem uma campanha fortíssima, com muito dinheiro. Basta contratar uma equipe para sentar o traseiro em cadeiras e ir respondendo a cada email desses, e enviando para listas de mala direta.

Maria 1 disse...

O problema, Miguel, é que essa questão do aborto é apenas uma das "coisas" que se alastram. E a única que é tratada pelos candidatos. Mas, tem boataria para todo tipo de público. O processo de desconstrução usou temas diversificados. Agora, estão intensificando o da Dilma bandida, terrorista, assassina, com cartazes sendo pregados em locais diversos (v. Blog do Rovai). Esqueceu da batalha da Folha junto ao STM para obter a ficha da candidata feita pelo regime militar? Deve estar no forno reportagem-bomba sobre o tema para divulgação pela tabelinha jornais/revistas/JN no finalzinho do segundo turno. Conhecedor e beneficiário de todo esquema, o homem não precisa ficar irritado, não é mesmo?

Marcio Tavares disse...

Amigos são aqueles que falam palavras duras; os inimigos muitas vezes elogiam.

Anônimo disse...

Miguel,
acho que você viajou.

Fabio disse...

Miguel parabens pela analise, enquanto recebo na minha caixa de e.mail o Porque de não votar na Dilma , não vejo nenhuma contrapatida do porque não voto em Serra, nem sequer comentarios a respeito do que ele esta prometendo e dizendo, aqui em São Paulo se vc fala que vota na Dilma o pessoal se espanta como diz um amigo meu em São Paulo ate pobre é de direita "olha o trocadilho pobre e rico".
Quanto as mancadas do PT a Erenice é uma.
outra é deixar claro se o Zé Dirceu e Cia vai participar de um futuro governo Dilma.
Questões religiosas são importantissimas num pais que nem o nosso.
Se o Pt não desmontar item por item a eleição fica mais distante.

Anônimo disse...

artigo
Guerra dos marqueteiros


O país ainda discute quem ganhou mais ou perdeu menos com o franco e agressivo debate de ontem, na Band, entre Dilma Rousseff e José Serra.

Mas ninguém duvida quem ganhou a edição do debate no primeiro programa do horário eleitoral na TV, a partir das 13h desta segunda-feira.

Dilma ganhou de goleada de Serra, que nem tocou no entrevero da noite anterior.

Dilma se esbaldou, repetiu seus melhores momentos, mostrou uma serenidade que não teve no debate, atacou Serra e ecoou de novo todas as denúncias que fez - inclusive contra a mulher do adversário, Mônica Serra, e a suposta privatização do Pré-Sal.

Os tucanos esqueceram que, mais importante do que o debate é a edição do debate.

Foi assim que Collor venceu Lula em 1989.

Agora, neste quesito, João Santana, o marqueteiro de Dilma, foi nota 10.

O de Serra, Luiz Gonzalez, foi nota 0, pela preguiça e pela total omissão de cenas do confronto.

Nem todo mundo viu o debate integral e exclusivo da Band, que terminou à meia noite.

Todo mundo viu o debate editado por Dilma e transmitido em todas as emissoras de TV do país, no horário eleitoral (13h) em que todo mundo está acordado.

O programa eleitoral que foi ao ar agora há pouco mostra que a turma da Dilma está acordada, muito acordada.

A turma do Serra, pelo jeito, está dormindo e sonhando.

Quando despertarem, pode ser muito tarde.



Luiz Cláudio Cunha é jornalista, cunha.luizclaudio@gmail.com

Anônimo disse...

Dilma desencantou e o debate da 'Band' foi bom
Sidney Rezende | Sidney Rezende | 11/10/2010 00h00



A candidata do PT, Dilma Rousseff, finalmente desencantou. Ela fez o seu melhor debate da campanha política. Foi mais proativa e deixou a zona de conforto de quem estava em primeiro lugar nas pesquisas e foi surpreendida pela onda verde. Serra pareceu tímido ao lidar com o tom mais agressivo da adversária.

O debate da "Band" foi quente, franco e direto. Mérito dos dois candidatos. E Dilma tirou mais vantagens do confronto.

E isto aconteceu por uma razão: Dilma conseguiu sair do corner dos últimos 40 dias. A agenda imposta por Serra vinha prevalecendo até hoje. A mesma agenda que tirou de Dilma a vitória no primeiro turno.

A recolocação do tema da privatização do pré-sal e a comparação entre os 8 anos de FHC e os 8 anos de Lula foi um achado que parecia temas superados.

Anônimo disse...

TAQUI A DIREITOSA LINHA AUXILIAR DO PSDB:
Marina Silva critica pelo Twitter desempenho de candidatos no debate
Redação SRZD | Eleições 2010 | 11/10/2010 00h52



A senadora Marina Silva criticou através do Twitter o primeiro debate do segundo turno entre os presidenciáveis transmitido pela "Bandeirantes", em São Paulo, nesta noite de domingo. No microblog, Marina lamentou a troca de acusações entre Dilma e Serra e chegou a lembrar que os eleitores que votaram nela queriam uma eleição feita com propostas, não ataques.

"Lamento que os candidatos não tenham percebido o que quase 20 milhões de brasileiros sinalizaram sobre como se deve decidir o futuro do país", disse a ex-candidata que surpreendeu no primeiro turno das eleições e cujos eleitores são muito cobiçados por Dilma e Serra.

Em outro post, ela escreveu: "É melhor descer do ringue e subir no palanque. Ainda espero que Serra e Dilma aproveitem a chance generosa que os brasileiros lhes deram."

Por fim, ela terminou: "O bom do segundo turno é que até aqueles que votaram nos dois candidatos podem reavaliar se eles ainda são merecedores do seu apoio."

Roberto de SP disse...

Só tenho a dizer que vc deve star passando por um mau momento na sua vida pessoal. A falta de textos e de toda aquela combatividade que eu via por aqui é prova disso.

Não vou rebater ponto a ponto o que vc escreveu porque me parece mais o desabafo de alguém desorientado pela realidade do que alguém em condições de propor alguma estratégia pra alguém.

Desculpe ser tão duro com vc.

Mas se a campanha de Dilma embarcar nesse clima de baixo astral que vc está aí é quea coisa vai pro brejo.

Vc parece se esquecer que os 3% dos votos que faltaram pra ela se eleger no ´primeiro turno vieram da campanha sórdida de padrecos e pastorecos por aí - junto aos mais pobres e NÃO na classe média.

A classe média não se empolga com brilhos e luxos de Joãozinho 30.

E nem o pobre quer que lhe vendam um sonho de fantasia na campanha política.

E vc está completamente derrotista.

Procure se recuperar, sua moral tá bem baixa e te levando a dizer bobagens.

O Kylocyclo disse...

Miguel, concordo com seu ponto de vista. Acho que o pessoal petista comemorou demais a vantagem de Dilma nas pesquisas de intenção de voto - sobretudo nas da demotucana Datafolha - e achou que a corrida eleitoral estava ganha. Não, ainda não estava. Veio 03 de outubro e, de repente, Marina Silva cresceu num discurso de campanha mais ponderado, que atraiu tanto direitistas entediados quanto esquerdistas desiludidos.

Por isso mesmo é que o PT tem até boas façanhas nesses oito anos de governo Lula. Mas deveria ser mais habilidoso nas campanhas eleitorais, mais ambicioso e defensivo, e até agora isso não aconteceu.

Dilma tem luz própria como política, mas ainda não tem o mesmo carisma de Lula. Isso é fato. Não que Dilma não possa vir a ter um carisma no futuro, mas no momento ela não tem. É preciso que ela se afirme como futura continuadora do projeto de Lula e tome emprestado dele seu ímpeto e sua habilidade político-administrativa. Aí, provando ser capaz de exercer essa continuidade - potencial ela tem para isso, mas é preciso convencer o eleitorado sobre essa ideia - , Dilma terá esse carisma.

Por isso o trabalho do PT, para evitar a revirada demotucana, será tomar cautela na sua campanha e na sua esperança de vitória. É melhor prudência, porque a maior consulta popular será mesmo nas urnas, e não nos institutos de pesquisa que, aparentemente, só consultam pouco mais de 2 mil pessoas. Quando essa consulta não acontece, ninguém pode comemorar vitória. Tudo pode acontecer. É preciso prudência, habilidade, humildade e, sobretudo, espírito de autocrítica.

Marisps disse...

Dilma levou surra de Marina? 27 milhões de votos a mais mesmo com todo o trabalho sujo nos bastidores "cristãos" e o apoio da mídia venal, anti-patriótica e corrupta? Não se deixe abalar Miguel, não será assim que seremos vencedores.

politicamente_incorreto disse...

Honestamente acho que você está certo na maior parte da sua análise, mas por outro lado está virando a ótica totalmente. Não houve nocaute no debate e o Serra recorreu apenas ao trolóló de sempre, temos que levar em conta a mudança de postura da Dilma e a repetição do debate no programa eleitoral é prova disso. O Serra neste debate-que é o de menor impacto, pode ser comparado a um amistoso pré campeonato- abriu os flancos e expôs as suas fraquezas, a história do "puxadinho" é hilária e preconceituosa, o engasgo em não responder a pergunta sobre as privatizações só é comparável a "acusação" do PT também privatizou empresas, ou seja assumiu que a privatização é ruim e ele foi o príncipe das privatizações.
A história dos 04 milhões sumidos do Paulo Preto já fedeu e está dando frutos, o cara apareceu ameaçando todo mundo. são munições para os programas seguintes já é sabido aonde dói, e muito no tucanato. A campanha do PT erra muto, mas não podemos menosprezar a união da mídia golpista com todas as forças reacionárias fazendo a maior e mais sórdida campanha já movida contra uma só pessoa na história do Brasil, O negócio está tão pesado que o Caio Blinder do Manhattan Connection que de petista não têm nada afirmar no ultimo programa que Serra não fez campanha até agora, só fez sujeira. Nem os simpatizantes da direita que têm vergonha na cara estão aguentando tanta baixaria.
Por outro lado o que mais concordo contigo é a lascividade do PT quanto o que classifico como crime eleitoral as promessas financeiras -que não vai cumprir, o PSDB só têm compromisso com a grana. eu sou a prova viva do que eles fizeram na Petrobrás, tenho 23 anos lá dentro. (O erro do Lula foi não têr colocado todo mundo em cana) e realmente a arrogância da cúpula de campanha e a passividade irritante frente a enxurrada de mentiras e parece que a cmapanha da Dilma está atrás do trófeu Belfort Duarte - para quem não sabe é o prêmio para os mais disciplinados no futebol brasileiro, quase nunca os campeões levam esse trófeu-ao invés da vitória.

PS. Desculpe a sinceridade, mas acho que além disso tudo você está "remoendo" uma mágoa pessoal com alguém da cúpula de campanha, o que acho normal. Já passei por momentos assim na minha vida, mas a hora é de escolha e empenho total dentro das nossas possibilidades, não esmoreça. haverá sempre aqueles que reconecerão a sua luta, por mais que você ache que trabalha sozinho e solitário tem sempre alguém olhando e reparando no seu trabalho e no fim tudo dá certo, se não deu certo ainda é porque não chegou no fim.

Rubem Rodriguez Gonzalez

politicamente_incorreto disse...

Honestamente acho que você está certo na maior parte da sua análise, mas por outro lado está virando a ótica totalmente. Não houve nocaute no debate e o Serra recorreu apenas ao trolóló de sempre, temos que levar em conta a mudança de postura da Dilma e a repetição do debate no programa eleitoral é prova disso. O Serra neste debate-que é o de menor impacto, pode ser comparado a um amistoso pré campeonato- abriu os flancos e expôs as suas fraquezas, a história do "puxadinho" é hilária e preconceituosa, o engasgo em não responder a pergunta sobre as privatizações só é comparável a "acusação" do PT também privatizou empresas, ou seja assumiu que a privatização é ruim e ele foi o príncipe das privatizações.
A história dos 04 milhões sumidos do Paulo Preto já fedeu e está dando frutos, o cara apareceu ameaçando todo mundo. são munições para os programas seguintes já é sabido aonde dói, e muito no tucanato. A campanha do PT erra muto, mas não podemos menosprezar a união da mídia golpista com todas as forças reacionárias fazendo a maior e mais sórdida campanha já movida contra uma só pessoa na história do Brasil, O negócio está tão pesado que o Caio Blinder do Manhattan Connection que de petista não têm nada afirmar no ultimo programa que Serra não fez campanha até agora, só fez sujeira. Nem os simpatizantes da direita que têm vergonha na cara estão aguentando tanta baixaria.
Por outro lado o que mais concordo contigo é a lascividade do PT quanto o que classifico como crime eleitoral as promessas financeiras -que não vai cumprir, o PSDB só têm compromisso com a grana. eu sou a prova viva do que eles fizeram na Petrobrás, tenho 23 anos lá dentro. (O erro do Lula foi não têr colocado todo mundo em cana) e realmente a arrogância da cúpula de campanha e a passividade irritante frente a enxurrada de mentiras e parece que a cmapanha da Dilma está atrás do trófeu Belfort Duarte - para quem não sabe é o prêmio para os mais disciplinados no futebol brasileiro, quase nunca os campeões levam esse trófeu-ao invés da vitória.

PS. Desculpe a sinceridade, mas acho que além disso tudo você está "remoendo" uma mágoa pessoal com alguém da cúpula de campanha, o que acho normal. Já passei por momentos assim na minha vida, mas a hora é de escolha e empenho total dentro das nossas possibilidades, não esmoreça. haverá sempre aqueles que reconecerão a sua luta, por mais que você ache que trabalha sozinho e solitário tem sempre alguém olhando e reparando no seu trabalho e no fim tudo dá certo, se não deu certo ainda é porque não chegou no fim.

Rubem Rodriguez Gonzalez

politicamente_incorreto disse...

Honestamente acho que você está certo na maior parte da sua análise, mas por outro lado está virando a ótica totalmente. Não houve nocaute no debate e o Serra recorreu apenas ao trolóló de sempre, temos que levar em conta a mudança de postura da Dilma e a repetição do debate no programa eleitoral é prova disso. O Serra neste debate-que é o de menor impacto, pode ser comparado a um amistoso pré campeonato- abriu os flancos e expôs as suas fraquezas, a história do "puxadinho" é hilária e preconceituosa, o engasgo em não responder a pergunta sobre as privatizações só é comparável a "acusação" do PT também privatizou empresas, ou seja assumiu que a privatização é ruim e ele foi o príncipe das privatizações.
A história dos 04 milhões sumidos do Paulo Preto já fedeu e está dando frutos, o cara apareceu ameaçando todo mundo. são munições para os programas seguintes já é sabido aonde dói, e muito no tucanato. A campanha do PT erra muto, mas não podemos menosprezar a união da mídia golpista com todas as forças reacionárias fazendo a maior e mais sórdida campanha já movida contra uma só pessoa na história do Brasil, O negócio está tão pesado que o Caio Blinder do Manhattan Connection que de petista não têm nada afirmar no ultimo programa que Serra não fez campanha até agora, só fez sujeira. Nem os simpatizantes da direita que têm vergonha na cara estão aguentando tanta baixaria.
Por outro lado o que mais concordo contigo é a lascividade do PT quanto o que classifico como crime eleitoral as promessas financeiras -que não vai cumprir, o PSDB só têm compromisso com a grana. eu sou a prova viva do que eles fizeram na Petrobrás, tenho 23 anos lá dentro. (O erro do Lula foi não têr colocado todo mundo em cana) e realmente a arrogância da cúpula de campanha e a passividade irritante frente a enxurrada de mentiras e parece que a cmapanha da Dilma está atrás do trófeu Belfort Duarte - para quem não sabe é o prêmio para os mais disciplinados no futebol brasileiro, quase nunca os campeões levam esse trófeu-ao invés da vitória.

PS. Desculpe a sinceridade, mas acho que além disso tudo você está "remoendo" uma mágoa pessoal com alguém da cúpula de campanha, o que acho normal. Já passei por momentos assim na minha vida, mas a hora é de escolha e empenho total dentro das nossas possibilidades, não esmoreça. haverá sempre aqueles que reconecerão a sua luta, por mais que você ache que trabalha sozinho e solitário tem sempre alguém olhando e reparando no seu trabalho e no fim tudo dá certo, se não deu certo ainda é porque não chegou no fim.

Rubem Rodriguez Gonzalez

Wiliam disse...

Prezado Miguel,

Respeito sua opinião, mas está deveras pessimista, sobretudo consigo o que penso estar influenciando de alguma maneira suas análises.
Estamos diante da mais sórdida campanha já encampada pela direita, nem Fernando Collor em 89 teve coragem de chegar ao ponto que Serra, PSDB e Imprensa estão chegando em 2010. Na verdade, enxerguei o debate como um alento a campanha petista e a julgar pelo teor do mesmo e pelas inserções do PT, o mesmo rebaterá a altura todo tipo de boato e levará a tona "famosos escândalos" tucanos que a nossa mídia varreu para debaixo do tapete juntamente aos altos contratos publicitários firmados com o governo de SP.

Postar um comentário